Fale connosco
English

INEGI desenvolve metodologias de avaliação da saúde estrutural de aerogeradores em colaboração com a EDP Renováveis

21 setembro 2020
O INEGI, em colaboração com a EDP Renováveis encontra-se a desenvolver metodologias de avaliação contínua da saúde estrutural dos grandes componentes de aerogeradores. O objetivo é conhecer, em tempo-real, o estado destas estruturas e assim aumentar a eficácia das operações de manutenção e maximizar a vida útil das turbinas eólicas.

As estratégias de monitorização da condição estrutural centram-se na torre, pás e fundação dos aerogeradores, estando o INEGI essencialmente focado na monitorização das pás, no desenvolvimento de ferramentas de processamento dos dados e sua análise estrutural. No projeto participam também a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e a WavEC. 

"Trata-se de criar métodos para avaliar a segurança e degradação das estruturas ao longo do tempo”, afirma Silvina Guimarães, responsável pelo projeto no INEGI. "Informação que nos ajuda a conhecer o estado de funcionamento e operação das turbinas, determinar o tempo de fadiga remanescente, isto é, prever quando vão surgir danos, e tomar melhores decisões sobre a sua otimização e rendimento”.

Monitorização mais fiável contribui para uso de recursos mais eficiente

Outra vantagem é a estimativa da vida útil remanescente dos equipamentos. Um dos maiores desafios do setor da energia eólica em Portugal prende-se com o aproximar do fim da vida útil dos ativos eólicos nos próximos anos. Uma das possíveis respostas para o problema passa por estender a vida do equipamento, analisando a necessidade de substituição de alguns componentes, ou, simplesmente, estimar o tempo restante até ao aerogerador deixar de poder operar. E para o fazer, a monitorização estrutural é essencial.

"Só ao avaliar a sua condição podemos estimar ou saber se é possível estender o seu tempo de vida remanescente de forma segura, evitando assim a sua substituição prematura e, consequentemente, contribuindo para um uso mais eficiente dos recursos", explica Silvina Guimarães.

Planear manutenção de parques eólicos em terra e no mar vai ser mais fácil

O projeto inclui a monitorização simultânea de três aerogeradores num parque eólico onshore, e a criação de modelos numéricos para a geração de dados experimentais artificiais para aerogeradores flutuantes. Com base nos "dados fornecidos pelos sistemas de aquisição já disponíveis em todos os aerogeradores, e através de técnicas de extrapolação, torna-se possível avaliar todos os aerogeradores do mesmo parque", salienta o responsável.

Tornar a exploração do vento mais eficiente é uma prioridade e, neste contexto, "a monitorização estrutural revela-se uma boa aposta para diminuir prémios de seguros, e otimizar os custos de manutenção, contribuindo para aumentar a competitividade das inovadoras soluções flutuantes”.

O projeto WindFarm SHM – Structural Health Monitoring é cofinanciado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).